This site will look much better in a browser that supports web standards, but it is accessible to any browser or Internet device.



blog0news


  • TA TUDO MUITO ESQUISITO, DEPOIS QUE VISUAL VIROU QUESITO

  • Vislumbres

    Powered by Blogger

    Fragmentos de textos e imagens catadas nesta tela, capturadas desta web, varridas de jornais, revistas, livros, sons, filtradas pelos olhos e ouvidos e escorrendo pelos dedos para serem derramadas sobre as teclas... e viverem eterna e instanta neamente num logradouro digital. Desagua douro de pensa mentos.


    domingo, outubro 06, 2013

    Neta negra, avô nazista



    por Graça Magalhães-Ruether  

     Aos 38 anos, a alemã Jennifer Teege descobriu um segredo de família que abalou para sempre a sua existência. Filha de uma alemã e de um nigeriano que pouco depois do nascimento tinha sido levada para um orfanato - de onde mais tarde foi adotada por um casal de Munique -, ela descobriu que era neta de Amon Göth, o carrasco nazista do campo de concentração de Plazow, na Polônia, que ficou famoso como o símbolo do mal com o filme “A Lista de Schindler”, de Steven Spielberg. 
     
    Göth, o pai de Monica, um sádico que encontrou no regime nazista a oportunidade de viver livremente as suas tendências, teria deixado para a sua família, quando foi enforcado, em 1946, depois de condenado à morte por um tribunal americano, uma maldição. A mulher, Irene, que vivia entre veneração ao marido e momentos de horror, suicidou-se quando se lembrou de tudo o que tinha acontecido ao ver o filme de Spielberg. A filha vivia em tratamentos psiquiátricos. Já as netas tiveram caminhos diferentes. A primeira, de pele escura, foi dada para a adoção. A segunda, do seu relacionamento com um alemão, parece ter optado pelo reconhecimento do seu terrível avô, pois batizou o seu filho com o nome de Amon.

    Antes do café da manhã, Göth atirava nos trabalhadores escravos do campo de concentração de Plazow, perto da cidade de Cracóvia, que hoje faz parte da Polônia. Depois do café, ele recebia as fichas dos que tinham sido mortos e mandava matar também os parentes, para que ninguém precisasse ficar de luto, como costumava dizer cinicamente. Os que não morriam a tiros, eram mortos pelos cachorros do nazista, que acompanhava tudo com o maior interesse.

    leia mais


    0 Comentários:

    Postar um comentário

    Assinar Postar comentários [Atom]

    << Home


    e o blog0news continua…
    visite a lista de arquivos na coluna da esquerda
    para passear pelos posts passados


    Mas uso mesmo é o

    ESTATÍSTICAS SITEMETER