This site will look much better in a browser that supports web standards, but it is accessible to any browser or Internet device.



blog0news


  • TA TUDO MUITO ESQUISITO, DEPOIS QUE VISUAL VIROU QUESITO

  • Vislumbres

    Powered by Blogger

    Fragmentos de textos e imagens catadas nesta tela, capturadas desta web, varridas de jornais, revistas, livros, sons, filtradas pelos olhos e ouvidos e escorrendo pelos dedos para serem derramadas sobre as teclas... e viverem eterna e instanta neamente num logradouro digital. Desagua douro de pensa mentos.


    quarta-feira, fevereiro 20, 2008

    Oba-oba ma

    Barack Obama é de longe o candidato menos ruim dessa eleição americana.

    E a onda de animação com que infundiu a campanha, principalmente entre eleitores jovens, que poderão continuar mexendo os traseiros e os mouses mesmo depois desta poeira abaixar (no mesmo lugar de sempre)
    pode ser bom.

    Quanto a vir a ser realmente um presidente que traga mudanças (Change you can believe in) ou melhorias sociais é outra história.

    Um candidato que tem entre seus assessores o mesmo Zbigniew que como chanceler levou o Clinton a se meter baixando o sarrafo na guerra da Bósnia-Sérvia
    não pode ser confiavel como comandante-em-chefe de um império militar.
    É verdade que tem também como assessora Samantha Powers, de cabeça arejada em termos de política internacional, porém...
    how much power has powers?

    No mais, é como escreve o jornalista Paul Craig Roberts
    em "The Era of Dynastic Politics":

    Mesmo que Obama seja eleito e seja sincero quanto a mudanças, o que poderá fazer? Provavalmente, muito pouco. O elenco de postulantes com os quais pode equipar a sua administração não é muito diferente do de qualquer outro candidato. Pode dispensar um arquiteto neo-conservador da invasão ao Iraque e ficar com um arquiteto do bombardeio da Sérvia pelo Presidente Clinton.

    Além do mais, o Congresso ainda seria controlado pelos mesmos grupos de interesse. Se Obama vier a indicar pessoas que sofram oposição por parte do lobby militar e de segurança, do lobby de Israel ou do lobby de offshoring, é improvável que o Senado os confirme. Nenhum presidente quer indicar pessoas que não poderão ser confirmadas no cargo. Os presidentes tem que equipar a sua administração de acordo com quem consegue a aprovação de poderosos grupos de interesses.

    Isto torna dificil uma mudança do status quo. Basta um senador para embairrerar uma nomeação. Mudanças em Washington requerem a quebra de muitos laços de aço.

    .

    Marcadores: ,

    0 Comentários:

    Postar um comentário

    Assinar Postar comentários [Atom]

    << Home


    e o blog0news continua…
    visite a lista de arquivos na coluna da esquerda
    para passear pelos posts passados


    Mas uso mesmo é o

    ESTATÍSTICAS SITEMETER